Early Call - 10/11/2021

Early Call - 10/11/2021

Quarta-feira, 10 de Novembro de 2021

Para Ficar Atento

Nos EUA, teremos dados de Índice de Preços ao Consumidor (CPI na sigla em inglês), assim como pedidos semanais de seguro desemprego. O Bureau of Labor Statistics (Departamento de Estatísticas do Trabalho) anunciará os números às 10h30.

Por aqui, o investidor se volta também para a inflação, com o resultado do IPCA de outubro (9h) -Principal indicador da inflação brasileira. A expectativa é que o índice alcance 10,45% na base anualizada, contra 10,25% em setembro.

Mercados ontem:

Câmbio:

O dólar encerrou esta terça-feira em forte queda contra o real, refletindo esperanças de participantes do mercado de que a PEC dos Precatórios avançasse no Congresso, com expectativas de juros mais altos no Brasil e dados de inflação dos Estados Unidos também no radar.

Ações Brasil:  

o Ibovespa fechou o dia em alta, com destaque para ações de varejo. O mercado aguardava os últimos desenvolvimentos da PEC dos Precatórios, com expectativa de aprovação da matéria na Câmara. Mais tarde, por 323 votos favoráveis e 172 contrários, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a PEC dos Precatórios em segunda discussão. O volume financeiro somou 27,6 bilhões de reais.

USA:

As bolsas de NY tiveram um movimento de realização de lucros nesta 3ªF, após sucessivos recordes de fechamento. O destaque negativo ficou com a Tesla (-11,99%), que reagiu à decisão de Elon Musk de fazer uma enquete no Twitter para decidir se venderia ou não 10% de suas ações na companhia.

Notícias Corporativas

Empresa (EMPR3)

Dona da Casas Bahia e do Ponto, a Via quer crescer em serviços e produtos para além daqueles oferecidos aos clientes que usam suas tradicionais plataformas. A empresa tem investido inclusive em startups para acelerar as mudanças na própria companhia.

As fintechs GoPublic, Poupa Certo e Byebnk foram as primeiras a receber aportes de um fundo de Corporate Venture Capital (CVC) anunciado neste ano pela empresa; a iniciativa promete recursos também para startups de varejo, logística e publicidade, em um total de R$ 200 milhões.

Segundo o vice-presidente de marketplace e inovação da empresa, Helisson Lemos, idealmente o prazo de cinco anos do fundo seria até estendido. "E não necessariamente a gente precisa comprar a startup para alavancá-la".

O executivo fala em um evolução das soluções financeiras dentro do ambiente da companhia — com plataforma de meios de pagamento e crédito, por exemplo —, mas também fora. “A gente vai lançar um crediário e um fulfillment [agrupamento de operações essenciais na logística] para terceiros.”

A incursão mais agressiva da Via pelo segmento financeiro começou em 2018, quando a empresa, famosa pelos carnês das Casas Bahia, passou a desenvolver a conta digital banQi — agora fortalecida pela compra das três startups, que também dão tração à Celer, solução de meios de pagamento comprada pela Via em julho.

image

A GoPublic é especializada em jornada para concessão de crédito para pessoas física e jurídica, e deve ajudar a Celer e a Banqi a fornecer recursos aos clientes. "Ela tem uma tecnologia com parâmetros complementares ao que a gente tem", disse o executivo.

Já a Poupacerto atua com educação financeira via gameficação — o que deve, segundo Lemos, "ajudar os nossos clientes a ter uma melhor consciência de gastos e investimentos" —, enquanto a Byebnk é uma plataforma de investimentos.

"Na linha de open banking e open finance, não necessariamente a gente tem que fazer de tudo, mas pode apoiar as empresas para que elas cresçam de maneira independente", disse ele.

Segundo o executivo, o modelo que a Via usa é justamente o aplicado no banQi — ou seja, o de uso do poder de fogo da varejista para acelerar uma empresa menor (a carteira digital da startup chegou 2,5 milhões de contas, no dado mais recente). "A gente agora começa a oferecer crédito não só para comprar produto no ecossistema da Via".

Lemos disse ver o mundo em transformação pela cultura de inovação — marcado, segundo ele, pela capacidade das empresas mais novas de resolver problemas —, "enquanto companhias em estágio avançado se apaixonam pela solução e não pelo problema".

A Via busca por inovação de maneira consistente há cerca de dois anos, quando a companhia trocou de mãos, voltando ao seu antigo controlador, a família Klein, fundadora da Casas Bahia, e passou a correr atrás do terreno perdido para concorrentes em meio à digitalização do consumo.

image

Parte importante desse processo ocorreu em 2020, quando a Via comprou uma fatia da Distrito, plataforma aberta de inovação que ajuda empresas na transformação digital e conexão com startups.

O chamado Corporate Venture Capital é uma modalidade de investimento em que grandes empresas aportam em startups donas de produtos e serviços que agregam a atividade da companhia investidora.

Esse é um mercado em franco crescimento e que movimentou US$ 79 bilhões no mundo durante a primeira metade de 2021, mais do que dobrando de valor na base anual, segundo dados da consultoria CB Insights.

"Quando a gente trabalha com inovação, a gente tem a chance de colher dois frutos. No médio e longo prazo, fazendo as escolhes certas para eventualmente ter resultados financeiros e estratégicos", diz Lemos. "No curto prazo, há o contato com o relacionamento com essas startups, com a cultura ágil e o apetite por risco".

A empreitada da Via com as startups ainda está longe de se reverter em resultados no balanço. Mas a iniciativa é bem vista por analistas. As ações da varejista (VIIA3) vêm sofrendo com a piora da percepção do mercado com o ritmo de avanço do e-commerce.

A visão geral, porém, é que a dona da Casas Bahia possui uma forte base de clientes e grande quantidade de lojas pelo país, embora as vendas digitais da empresa ainda estejam longe de patamares como o do Magazine Luiza.

Lemos vê justamente na base de clientes, cujo total atingiu 100 milhões, sendo 24 milhões ativos, uma das provas do avanço da companhia. "A gente iniciou o ano com 10 mil vendedores na nossa base. Em outubro chegamos em 100 mil — patamar que concorrência levou cinco anos para atingir."

Seu dinheiro.com, Infomoney e Investing.com

image